quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Estou curado do ronco! (Minha mulher agradece... rss)

Já havia falado sobre o assunto 'ronco' num post há algum tempo atrás (você ronca?). Tenho tratado de alguns pacientes com sucesso, só não sabia que seria vítima deste mesmo problema...
Roncar já faz parte da minha família. Meu avô e meu pai foram grandes roncadores. Comigo não seria diferente. Primeiramente ao pegar no sono minha respiração mudou de nasal para bucal e não sei o porquê disso. Aí começou com um ronquinho inofensivo, um borburinho. Mas, com o passar do tempo o som foi aumentando a níveis ensurdecedores. Certa vez minha mulher foi dormir na sala, porque não conseguia dormir com o volume alto do ronco. Contudo, o cume do problema foi quando acordei afrontado com falta de ar. Aquele inofensivo ronco havia se transformado numa apnéia obstrutiva. Além disso, passei a ter uma clautrofobia leve, mas que estava me tirando o sono. Então resolvi aplicar em mim mesmo o tratamento que aplico em meus pacientes e foi sucesso absoluto!
No livro "Oclusão e ATM - Procedimentos Clinicos" de Roberto N. Maciel - Livraria Editora Santos, na parte III capítulo 8, fala sobre distúrbios do sono. O Prof. Roberto fala de dispositivos interoclusais para melhorar a postura dos tecidos da orofaringe e ventilação, conforme nas figuras a seguir:
Em ambos os casos, propõem-se a reduzir os níveis de ronco e apnéia obstrutiva a níveis aceitáveis ou mesmo curar. 
Procurei aperfeiçoar estes dispositivos a fim de construir uma placa anti-ronco menor e facilmente confeccionada no consultório. Então desenvolvi uma placa conforme fotos abaixo:
Basicamente, faço uma moldagem com alginato da arcada superior, vazo com gesso paris, obtenho um modelo de gesso, faço uma moldeira em acetato de 1mm de espessura, pego um sugador e corto dois pedaços para ajustar na posição desejada, colo com super bond, aplico resina acrílica (de qualquer cor) na base da moldeira de acetato, levo o conjunto à boca e espero polimerizar a resina. Removo os excesso e dou polimento. Está feita a placa anti-ronco!
É só encaixar na boca antes de dormir e pronto.
Vou relatar agora o que aconteceu comigo:
  1. No primeiro dia senti incômodo por colocar um corpo estranho na boca, a placa apertava meus dentes e o cheiro forte residual da resina, que consegui aplacar untando a placa com creme dental. Fiquei salivando abundantemente, mas a respiração melhorou, pois essa placa possibilita você respirar pela boca mesmo ela estando fechada. Mesmo salivando senti a boca muito seca. Demorei para pegar no sono. Minha mulher disse que estava roncando, mas com menor intensidade;
  2. No segundo dia meus lábios e dentes se adaptaram melhor a placa. Consegui respirar melhor mesmo virando para o centro da cama, coisa que não conseguia fazer. A salivação e a secura na boca reduziram, mas ainda incomodavam. Ainda continuava com a claustofobia. Minha mulher não reclamou mais do ronco.
  3. No terceiro dia de uso já estou plenamente adaptado. A salivação e a secura do céu da boca ainda persistem, mas estão diminuindo gradativamente. Minha mulher chegou do trabalho mais tarde e me encontrou dormindo silenciosamente (segundo relato dela). Estava muito feliz, pois ia dormir sem ter que ouvir aquela horrível sintonia...
Contudo, a claustofobia ainda está me incomodando. De madrugada tive que ir para a sala, pois minha mulher gosta de dormir com o ar condicionado ligado e a porta do quarto fechada. Essa situação é extremamente incômoda, mas controlável. Contudo, meu sono foi de melhor qualidade e tem sido assim progressivamente desde quando comecei a usar a placa. 
Portanto, a placa anti-ronco modificada foi eficaz em acabar com o som do ronco e com a apnéia obstrutiva do sono, proporcionando uma noite de sono reparadora sem os incômodos gerados pelo ronco.
Essa placa age distendendo os tecidos da orofaringe evitando a reverberação. A resina acrílica aumenta a dimensão vertical de oclusão criando uma maior passagem para o ar. Os tubos feitos de um sugador de saliva proporcionam a respiração mesmo estando de boca fechada.



4 comentários:

  1. Percebi q a placa q fez não se estende ao palato mole. Tentou fazer uma q desse suporte ao palato e ñ se adaptou? Ou simplesmente tentou esse modelo primeiro?

    ResponderExcluir
  2. É aí que está a diferença, ou seja, não estendi até o palato mole e a placa faz o mesmo efeito.
    A dificuldade de se estender até o palato mole é a dificuldade de adaptação por parte do paciente.
    Se este tipo que apresentei já dá ânsia de vômito, imagine uma que fica encostada diretamente no palato mole?
    É como se a pessoa fosse moldada na arcada superior a noite toda... hehehe

    ResponderExcluir
  3. É como se a pessoa fosse moldada na arcada superior a noite toda.


    RUBENS JOELSON SILVA SANTOS

    ResponderExcluir

Agradeço pelo seu comentário! Ele será respondido assim que puder...